Homero é Pré-Candidato a deputado estadual no Paraná - Saiba Já! Jornal Online

Publicidade


Post Top Ad

Homero é Pré-Candidato a deputado estadual no Paraná

Share This



Homero Figueiredo Lima e Marchese é advogado e mestre em Direito pela Universidade Federal do Paraná, onde também cursou a graduação. Foi professor colaborador da Universidade Tuiuti do Paraná, professor do curso de Direito da Faculdade Maringá e ministrou cursos e palestras em diversas instituições de ensino superior. De 2008 a 2012, foi analista de controle da área jurídica do Tribunal de Contas do Estado do Paraná, no qual ingressou por meio de concurso público. No Tribunal, Homero tinha como atribuições a orientação e a fiscalização de gestores públicos do Estado do Paraná, em especial nos temas de licitações e contratos administrativos. Na advocacia, atua com ênfase em Direito Administrativo, Direito Civil e Falimentar.
Homero Marchese ingressou na política recentemente pelo Partido Verde (PV) e foi eleito vereador por Maringá, em 2016, sendo o mais votado, com 6,573 votos. Homero deixou o PV e filiou-se ao PROS para concorrer a deputado estadual pelo Paraná.
HOMERO MARCHESE
"No que acredito Vivemos a maior crise da história do Brasil. A corrupção, o aumento desenfreado do gasto público e a concessão indiscriminada de crédito produziram uma recessão inédita. Lamentavelmente, além disso, não aproveitamos os tempos de bonança para fazer o que era certo e investir em educação e tecnologia. Voltamos para trás. A crise não é apenas econômica. É também moral. A desesperança cresce no país à medida que a injustiça e a violência avançam. As instituições fragilizam-se, e o desrespeito ao próximo aumenta. Definitivamente, é preciso mudar. Assim é que acredito em (clique nas abas para ler): 1) Fiscalização e combate implacável à corrupção 2) Promoção absoluta da educação e cultura 3) Direitos iguais para todos, privilégios para ninguém 4) A proteção da busca da felicidade individual com respeito aos outros e ao meio ambiente As pessoas são diferentes, portanto, são felizes de modo diferente. Ponto. A conclusão, que não deveria causar qualquer espanto, tendo em vista que vivemos em um país com 200 milhões de pessoas e em um mundo com 7 bilhões de indivíduos, ainda é, infelizmente, ignorada por muitos. Todo cidadão tem o direito a buscar a sua felicidade, independentemente de seu sexo, cor, religião ou classe social, e de ter a sua vida respeitada pelos demais membros da sociedade. Garantir esse respeito e promover a melhor convivência possível entre as pessoas é o que cabe, em última análise, ao Poder Público. Evidentemente, a busca da felicidade individual não pode significar a invasão da liberdade dos outros. Assim é que é fundamental que o exercício desse direito não seja abusivo e respeite o espaço e a dignidade dos outros. Devem ser estritamente respeitados, por exemplo, os direitos de vizinhança (direitos ao sossego e à salubridade), os direitos dos idosos, das crianças e dos enfermos e o combate a qualquer tipo de preconceito. Da mesma maneira, é imprescindível ajustar a atuação humana ao meio ambiente. Vivemos todos no mesmo barco chamado planeta Terra. Somos todos, portanto, responsáveis por cuidar de nossos recursos naturais (água, terra, florestas e ar), a fim de que não apenas a nossa geração, mas também as futuras tenham a oportunidade de completar essa incrível travessia chamada vida. 5) Combate implacável à violência 6) Proteção e reconhecimento da família e da religião como instâncias fundamentais da formação moral do cidadão 7) Apoio à iniciativa privada e ao empreendedorismo."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Pages